O Estresse nos Cursos de Pedagogia: Uma Reflexão Necessária

O Estresse nos Cursos de Pedagogia: Uma Reflexão Necessária

Introdução

O caminho da pedagogia pode ser desafiador e estressante para muitos. Uma observação de Angélica, uma professora engajada em nossa comunidade que participa de nossa newsletter, levou-me a uma reflexão importante sobre como os cursos de pedagogia deixam a desejar na preparação das futuras professoras para lidar com o estresse do cotidiano escolar.

O comentário de Angélica foi sobre o capítulo do próximo lançamento, “A Professora do Ensino Fundamental”, no qual a personagem Juliana enfrenta uma situação complexa. Além dos desafios pessoais, ela se depara com uma grande discrepância de aprendizagem entre seus alunos, o que a deixa em uma verdadeira montanha-russa emocional.

Dois Quesitos Primordiais Ausentes da Formação de Professores

Minha ponderação sobre esta questão levou a uma constatação bastante pertinente: a falta de dois elementos essenciais na formação de professores. O primeiro deles é a conexão direta com a prática do ensino e da aprendizagem em escolas. Muitos cursos focam demasiadamente na teoria, deixando pouco espaço para a vivência real em sala de aula. Em contraste, os melhores programas de formação ao redor do mundo oferecem uma prática intensa, com os estudantes imersos no ambiente escolar diariamente, sob a mentoria de profissionais experientes.

O segundo componente crucial é a inclusão das pesquisas fundamentais sobre o processo de aprendizagem e as estratégias de ensino mais eficazes. Infelizmente, muitos cursos de pedagogia no Brasil ainda se apegam a teorias clássicas, negligenciando os avanços recentes da neurociência, psicologia cognitiva e educação. Isso resulta em práticas desatualizadas que impactam diretamente o desempenho dos alunos, especialmente na alfabetização.

Como Vencer os Desafios da Sala de Aula

Para superar esses desafios, é essencial que coordenadoras de cursos de pedagogia, gestoras escolares e estudantes busquem incorporar evidências científicas experimentais em sua prática. Essa abordagem baseada em resultados pode transformar a formação de futuras professoras, preparando-as de forma mais eficaz para enfrentar as demandas reais da sala de aula.

Conclusão

Portanto, é crucial buscar uma formação que una teoria e prática, embasada em pesquisas atualizadas. Somente assim as futuras professoras estarão verdadeiramente preparadas para enfrentar as diversas realidades do ambiente escolar e contribuir de forma significativa para a educação de nossas crianças.

Se você gostou deste conteúdo, compartilhe com suas colegas e gestoras. E se deseja receber mais informações e pesquisas sobre educação, inscreva-se em nossa newsletter em escribo.com/ebook. Junte-se a milhões de educadoras engajadas e esteja sempre atualizadas. Até a próxima!

Como Garantir uma Avaliação de Aprendizagem de Qualidade na Educação Infantil

Como Garantir uma Avaliação de Aprendizagem de Qualidade na Educação Infantil

Introdução

Se você é coordenadora, professora ou gestora na área da educação infantil, já parou para pensar no que está fazendo hoje para garantir uma boa avaliação de aprendizagem daqui a um, dois ou três meses? Vamos explorar juntos essa questão crucial.

Ontem, durante uma reunião com minha equipe de desenvolvimento de software aqui na Escribo, o André, um dos nossos desenvolvedores, fez uma pergunta que me fez refletir sobre o processo de avaliação nas nossas escolas. Infelizmente, no Brasil, é comum a maioria das escolas interromper suas atividades para realizar avaliações e redigir relatórios das crianças, seja no final do trimestre, do primeiro bimestre ou até mesmo semestralmente. Algumas chegam até a enviar apenas um relatório por ano para as famílias.

Qual é a periodicidade de escrita de relatórios na sua escola?

Independentemente da frequência com que essas avaliações são realizadas, é importante adotar boas práticas que levam a relatórios de melhor qualidade e, consequentemente, a uma avaliação mais eficaz para melhorar o aprendizado das crianças.

Boas práticas para se fazer relatórios de qualidade

Uma dessas práticas fundamentais é realizar registros contínuos do que acontece dentro da sala de aula. Se uma criança enfrenta um problema, registre. Se outra criança faz algo extraordinário, também registre. Esses registros podem ser feitos de várias formas: anotações, fotografias dos artefatos produzidos pelas crianças ou até mesmo registros sonoros. O importante é coletar informações constantemente.

Ao final de um período de dois ou três meses, quando for escrever o relatório, será fácil consultar esses registros. Ter um histórico ajuda a fazer um diagnóstico preciso sobre a evolução da criança naquele trimestre.

Um bom sistema ajuda a consolidar os registro sobre cada criança

Se você parar daqui a três meses e tentar se lembrar do que aconteceu hoje na aula, certamente terá dificuldades. Daí vem a importância dos registros. Se tiver um sistema que facilite essa coleta ao longo do tempo, poderá consolidar todos os registros sobre cada criança e produzir relatórios de melhor qualidade, mais informativos e personalizados tanto para você quanto para as famílias.

Conclusão

Se ainda não está coletando dados de forma constante, é importante começar a fazer esses registros. Se não possui um sistema para isso, estamos aqui para ajudar. Envie uma mensagem para conhecer o nosso.

Se gostou deste vídeo, compartilhe com suas colegas coordenadoras, gestoras e professoras. Deixe suas dúvidas para os próximos vídeos. Até a próxima!

Diagnose Inicial de Leitura: Como as Melhores Escolas do Mundo Abordam

Diagnose Inicial de Leitura: Como as Melhores Escolas do Mundo Abordam

Introdução

Se você quer aprender a fazer a diagnose inicial de leitura para entender como as melhores escolas do mundo conseguem resultados tão significativos, você está no lugar certo. Marlete enviou uma pergunta bastante interessante sobre como conduzir a diagnose inicial para descobrir os níveis de hipótese de escrita das crianças do infantil cinco.

Teste das Hipóteses já Ultrapassado: Teoria de Emília Ferreiro

Muitas pessoas ainda utilizam a antiga teoria de Emília Ferreiro, que é bastante difundida aqui no Brasil, embora não seja tão conhecida em outros países, exceto, talvez, na Argentina. Porém, é importante considerar que essa teoria foi desenvolvida com base em pesquisas da década de 1960 e muitas das situações descritas por Ferreiro naquela época parecem não ocorrer mais no Brasil, pelo menos de acordo com nossos dados provenientes de mais de dez mil escritas de crianças ao longo do tempo.

A atualidade dos Instrumentos Padronizados para Avaliar Leitura e Escrita

Então, qual seria uma abordagem mais eficaz? A nossa conclusão é que não é necessário se preocupar tanto em aplicar o teste das hipóteses de Emília Ferreiro. Ao invés disso, é mais interessante e confiável utilizar um instrumento padronizado para avaliar a leitura e a escrita das crianças. Isso é exatamente o que as melhores escolas do mundo fazem.

Esses instrumentos são desenvolvidos por especialistas em avaliação e são aplicáveis a qualquer habilidade que se deseje avaliar. Por exemplo, para a leitura e a escrita de palavras, existe um instrumento padronizado aqui no Brasil, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Mackenzie, como as professoras Seabra e Natália Dias.

A Eficácia dos Instrumentos Padronizados

Esse instrumento, utilizado em larga escala nas nossas pesquisas no Nordeste, consiste em uma lista de palavras para ditado e outra lista para leitura. Ambas são compostas por dez palavras, e a correção é feita com base no número de letras que a criança acertou ou errou.

Por que essa abordagem é eficaz? Porque estudos na área de alfabetização nos últimos vinte anos têm mostrado que as crianças que apresentam uma melhor correspondência entre letras e sons tendem a aprender a ler e a escrever mais rapidamente e com melhor qualidade.

Conclusão

Portanto, ao utilizar esse instrumento padronizado, você pode obter um indicador numérico preciso da habilidade de leitura de cada criança. Esse indicador pode ser usado para monitorar o progresso ao longo do tempo e demonstrar o crescimento obtido através do seu trabalho e do esforço das crianças.

Se você deseja mais informações sobre alfabetização, planejamento ou avaliação, deixe seu comentário que estaremos à disposição para responder. E não se esqueça de compartilhar esse vídeo com suas colegas professoras, coordenadoras e diretoras. Siga-nos nas redes sociais @americoescribo ou @escriboplay para ficar por dentro das novidades. Até os próximos artigo e vídeo!

 

A Importância da Escola ter Planejamento Próprio

A Importância da Escola ter Planejamento Próprio

Introdução
Em uma visita recente a uma escola em Salvador, que utiliza o Escribo Play, pude conversar com uma professora que acabara de ingressar na instituição. Ela compartilhou comigo a experiência de receber um planejamento feito pela professora anterior, e como esse plano estava se revelando desafiador de ser executado.

A professora mencionou que os objetivos de aprendizagem estavam desalinhados com o material didático utilizado pela escola. Além disso, as atividades de estimulação eram repetitivas, e as atividades de avaliação não estavam bem integradas ao planejamento. Essa situação trouxe à tona a importância de cada escola ter o seu próprio planejamento pedagógico.

 

Planejamento Próprio da Escola
Não podemos simplesmente depender do planejamento de professoras anteriores, pois isso pode levar a desafios de implementação e desalinhamento com os objetivos da instituição. É essencial que as escolas tenham sua própria linha pedagógica bem estruturada, que sirva como base para o trabalho de todas as professoras.

Quando uma nova professora chega à escola ou quando uma professora muda de turma, a instituição pode simplesmente entregar um planejamento já preparado, adaptado às necessidades da turma em questão. Isso economiza tempo e esforço, permitindo que a personalização e os ajustes necessários sejam feitos no início do ano letivo e ao longo do ano.

Ter o seu próprio planejamento pedagógico é como construir o coração da sua escola. É a base que guiará o ensino e a aprendizagem, garantindo que todos estejam alinhados com os objetivos da instituição.

 

Conclusão
Portanto, se a sua escola ainda não possui um planejamento próprio, talvez seja o momento de investir tempo e esforço nessa construção. Isso não apenas facilitará o trabalho das professoras, mas também garantirá uma educação mais alinhada com os valores e objetivos da escola.

Se você gostou deste vídeo, compartilhe com sua coordenadora e diretora e siga @americoescribo para obter mais informações sobre aprendizagem e gestão escolar. Afinal, juntos podemos construir escolas mais eficazes e alinhadas com as necessidades de nossos alunos. Um abraço!

 

 Estimulando o Empreendedorismo e a Inovação desde a Educação Infantil

 Estimulando o Empreendedorismo e a Inovação desde a Educação Infantil

Introdução

No cenário educacional atual, estimular o empreendedorismo e a inovação desde a educação infantil é fundamental para preparar as crianças para um futuro cada vez mais complexo e competitivo. Neste artigo, vamos discutir a importância de promover essas habilidades desde cedo e como podemos fazê-lo de forma eficaz.

Desenvolvendo a Oratória nas Crianças

Uma das habilidades que devemos cultivar desde cedo é a capacidade de falar em público. A oratória é uma habilidade valiosa que pode beneficiar as crianças ao longo de suas vidas. Propomos a criação de projetos que envolvam apresentações regulares, pelo menos uma vez a cada bimestre ou trimestre, para ajudar as crianças a superar a timidez e ganhar confiança ao se expressarem em público.

Fomentando a Inovação nas Escolas

Outro aspecto crucial é não sufocar a inovação nas escolas. Devemos encorajar ideias criativas e projetos que os alunos queiram desenvolver. Um exemplo pessoal mostra como a inovação pode ser inibida quando não é adequadamente estimulada. Lembro-me de quando, na minha infância, criei um jornalzinho da escola por conta própria. Entreguei-o à escola, mas logo fui chamado pela direção, que queria controlar o projeto. Infelizmente, essa atitude desmotivou minha iniciativa, e acabei mudando de escola.

Valorizando a Criatividade Infantil

Crianças têm uma criatividade natural e uma capacidade de inovação incríveis quando são jovens. Portanto, em vez de reprimir suas ideias, devemos encorajar e apoiar suas iniciativas criativas. Ao permitir que as crianças desenvolvam suas próprias ideias e projetos, estamos preparando-as para se tornarem adultos mais criativos e inovadores.

A Importância da Inovação para o Futuro

A inovação desempenha um papel fundamental em todos os aspectos da sociedade, da economia à resolução de problemas sociais. Estimular a criatividade desde a infância é essencial para garantir um futuro mais inovador e próspero. Como educadores, temos a responsabilidade de criar um ambiente onde as crianças se sintam incentivadas a explorar novas ideias e a buscar soluções inovadoras.

Conclusão

Em resumo, promover o empreendedorismo e a inovação desde a educação infantil é essencial para preparar as crianças para um futuro de sucesso. Devemos estimular suas habilidades de comunicação, valorizar suas ideias criativas e criar um ambiente que fomente a inovação. Ao fazer isso, estaremos contribuindo para um mundo mais criativo e inovador. Se você gostou deste conteúdo, compartilhe-o com colegas, professoras, coordenadoras e diretoras. Siga @americoescribo para mais informações sobre educação e outros temas relacionados. Até a próxima!

 

A Importância da Avaliação Formativa na Educação Infantil

A Importância da Avaliação Formativa na Educação Infantil

Você já parou para pensar sobre como a avaliação na educação infantil pode ser mais do que apenas dar notas ou criar relatórios para os pais no final de um bimestre ou trimestre? A avaliação desempenha um papel fundamental no fortalecimento do ensino e aprendizado das crianças, e é por isso que muitas das melhores escolas do mundo adotam estratégias de avaliação formativa.

Neste post, vamos explorar o que é a avaliação formativa, como ela difere da avaliação somativa e por que é tão importante na educação infantil.

Avaliação Somativa vs. Avaliação Formativa

A avaliação somativa é a forma tradicional de avaliação que ocorre no final de um período, geralmente resultando em notas ou pontuações. É a avaliação que a maioria de nós está familiarizada, mas muitas vezes, pode ser limitada em sua capacidade de realmente promover o aprendizado contínuo das crianças.

Por outro lado, a avaliação formativa é uma abordagem que ocorre durante o ensino, ou seja, ao longo do período letivo. É uma prática em que as educadoras avaliam e ensinam de forma integrada, adaptando o ensino com base nos resultados das avaliações.

Benefícios da Avaliação Formativa

A principal vantagem da avaliação formativa é que ela gera resultados mais eficazes. Isso ocorre porque as professoras estão constantemente avaliando o progresso dos alunos e ajustando seu ensino de acordo com as necessidades individuais de cada criança. Aqui estão alguns benefícios-chave da avaliação formativa:

Personalização do Ensino: Com a avaliação formativa, as educadoras podem identificar as necessidades específicas de cada criança e adaptar o ensino para atender a essas necessidades. Isso significa que nenhuma criança é deixada para trás, e todas têm a oportunidade de aprender no seu próprio ritmo.

Melhoria Contínua: Ao avaliar e ajustar constantemente o ensino, as escolas podem melhorar continuamente a qualidade da educação que oferecem. Isso beneficia não apenas as crianças, mas também as educadoras, que podem ver os resultados positivos de seu trabalho.

Envolvimento dos Alunos: A avaliação formativa envolve os alunos no processo de aprendizado, incentivando-os a refletir sobre seu progresso e definir metas para si mesmos. Isso ajuda a desenvolver habilidades de autorregulação e responsabilidade.

Como Implementar a Avaliação Formativa

Agora que entendemos a importância da avaliação formativa, como podemos implementá-la na educação infantil? Aqui estão algumas dicas:

  • Reserve tempo semanalmente para realizar avaliações formativas.
  • Ajuste o ensino com base nos resultados das avaliações.
  • Realize avaliações mensais ou quinzenais para avaliar áreas específicas.
  • Utilize as informações das avaliações para personalizar o ensino.

Lembre-se de que a avaliação formativa não se trata apenas de dar notas, mas sim de melhorar o processo de aprendizado das crianças. Se você ainda não está praticando a avaliação formativa, considere começar este ano. Afinal, essa abordagem pode fazer uma diferença significativa no desenvolvimento das crianças.

Gostou deste conteúdo? Se sim, não deixe de curtir e compartilhar com suas colegas professoras, coordenadoras e diretoras. Siga @americoescribo para mais dicas e informações sobre como fortalecer a gestão e o aprendizado em nossas escolas. Até a próxima!