Será que o “vício digital” é mesmo um risco para as crianças?

Será que o “vício digital” é mesmo um risco para as crianças?

Pontos principais
Pais: É importante que a gente encontre maneiras saudáveis ​​de incluir tecnologias digitais no cotidiano das crianças sem perdermos o controle sobre elas.
Professoras: Hábitos saudáveis podem surgir se ajudarmos as crianças a entenderem como a tecnologia funciona e como elas podem aprender com essas inovações.
Gestores escolares: É papel da escola contar e administrar de forma confiável o tempo de uso dessas telinhas pelos pequenos

Nos dias de hoje, pais e mães por todo o mundo têm medo de que suas crianças usem em excesso ou fiquem altamente viciadas em ambientes digitais. Em uma pesquisa divulgada por uma matéria recente do jornal americano New York Times, especialistas decidiram estudar esse contexto e questionaram até que ponto vai o limite do uso de aparelhos e quando começa um suposto “vício digital”.

Em casos extremos, o uso de dispositivos por crianças pode sim chegar a compulsivo, segundo Dimitri Christakis, especialista em saúde infantil e professor de pediatria da Universidade de Washington. Porém, tanto exposições elevadas quanto ausência total das redes sociais podem representar desequilíbrios mentais. Portanto, o ideal é buscar um uso equilibrado dessas plataformas.

Mas segundo a Ellen Selkie, professora de medicina na Universidade de Michigan, é preciso entender se o comportamento vem de um vício ou do comportamento esperado para a faixa etária – por exemplo, adolescentes que vivem falando com amigos ao telefone ou no WhatsApp. Para ela, se uma criança não está dormindo o suficiente, não faz a lição de casa ou briga por telefone toda noite, os pais precisam estabelecer limites.

Leia mais

5 avanços da Política Nacional de Alfabetização

A professora da Universidade de Michigan e especialista em tecnologia para crianças, Jenny Radesky, vê a tecnologia como mais um “ambiente” que usamos como qualquer outro (para trabalhar, estudar, etc.). Ela entende o uso do termo “vício” para falar esses excessos, já que o design de tecnologias modernas tem essa tendência de criar o uso por hábito. Mas ao mesmo tempo, prefere não usá-lo para evitar que a culpa seja vista como da criança.

Nesse aspecto, Christakis analisa a dificuldade de se entender e quantificar o uso de dispositivos pelas crianças. “Como os pais podem contar de forma confiável o tempo de uso dessas telinhas? Muitas crianças e adolescentes andam com seus celulares no bolso o tempo todo e usam para se comunicar, jogar e fazer lição de casa”, lembra.

A Escribo acredita que a tecnologia não é a vilã da história. Como o texto defende, a maioria de nós depende da tecnologia para trabalhar e se conectar. Por isso, nós e nossas crianças devemos achar formas saudáveis ​​de usá-la sem perder o controle sobre ela. Esta é uma ótima chance de ajudar os pequenos a entender como a tecnologia funciona e como eles podem aprender com essas inovações.

Nas próximas semanas, vamos seguir com esse papo e trazer cada vez mais novidades sobre tecnologia e educação com conteúdos inovadores em primeira mão. Assine agora as notificações do blog da Escribo no sininho ao lado e fique por dentro de tudo! Grande abraço, e até mais!

Como escolher material didático para  a educação infantil?

Como escolher material didático para a educação infantil?

Com a aproximação de mais um novo ano escolar professores e gestores precisam selecionar os materiais didáticos a serem adotados pelo colégio. A tarefa, apesar de habitual, não pode ser tratada com descaso: um material mal escolhido compromete não apenas a rotina em sala, mas está diretamente atrelado à qualidade de ensino da instituição.

O momento em que a gente está vivendo, em especial, traz um agravante ainda maior. A atual crise financeira vivida no Brasil tem gerado complicações para a escolha do material curricular. Além de lidar com as expectativas tradicionais dos pais quanto à qualidade do material escolhido, a redução de custos acabou se tornando o sentimento geral do país.

Por conta disso uma verdadeira dor de cabeça se instalou para professores e gestores: o que deve ser priorizado na escolha desses materiais? Que elementos compensarão o investimento e deixarão pais e alunos satisfeitos?

Em primeiro lugar é preciso considerar o projeto político pedagógico da escola, buscar materiais que estejam alinhados aos objetivos e aspectos que colégio prioriza, para assim promover a integração curricular.

Além disso, quando o custo é um desafio a ser superado, a contrapartida é a diferenciação, isto é, demonstrar valor aos pais. A avaliação didática precisa então garantir que os materiais didáticos escolhidos conseguirão de fato impactar o desenvolvimento dos alunos.

Na educação infantil, um período tão determinante para a educação, isso se reflete na busca pelo desenvolvimento integral do estudante. Baseados nisso, para auxiliar você gestor ou professor nessa escolha, elencamos a seguir as 5 características indispensáveis a um material didático de impacto.

1. É adaptável

Óculos e marca-texto em cima de livro.

A troca diária de conhecimentos precisa estar associada as necessidades percebidas em sala e ao contexto em que os alunos estão inseridos. Conforme o professor perceba o grau de desenvolvimento da turma ele precisa ter a liberdade de adaptar e readaptar seu plano de ensino, o que implica na necessidade de um material dinâmico.

A flexibilidade do material a ser adotado, dessa forma, garante que as crianças aprendam não apenas de maneira correta, mas no momento mais oportuno. E por isso é que é tão importante para um crescimento e desenvolvimento favorável.

2.  Estimula o gosto pela leitura

Conjunto de livros dispostos em formato circular.

Apesar de ainda não estarem alfabetizadas, é importante já na primeira infância o estímulo ao hábito da leitura. Isso é possível por meio de atividades que envolvam contação de histórias, poemas, música, teatro ou até mesmo jogos eletrônicos, de modo que a criatividade das crianças seja aflorada.

A motivação para leitura, num país que pouco se lê, garante desde cedo diferenciais importantes ao aluno, ele aprende melhor, se comunica melhor e ainda garante a longo prazo seu desenvolvimento como leitor.

Nos jogos do Escribo Play, por exemplo, o uso da Língua Portuguesa é abordado desde o som das letras, passando pela escrita até a construção de frases completas. De forma lúdica, os jogos apresentam o conteúdo a ser trabalhado estimulando a imaginação das crianças e garantindo já entre os pequenos o gosto pela leitura.

3. Desenvolve o pensamento crítico

Durante a infância a maior parte do nosso cérebro está em formação, o que implica dizer que qualquer estímulo nesse período tem impacto direto na nossa capacidade intelectual a longo prazo.

Com isso, é importante desde cedo estimular a análise crítica do aluno, para que ele consiga  avaliar e entender as coisas ao seu redor, bem como o ambiente em que está inserido.

Para que o desenvolvimento do pensamento crítico ocorra é importante considerar materiais didáticos que estimulem o raciocínio lógico, fomentando discussões e opiniões sobre diferentes assuntos.

4. É interativo

Três meninas brincam com um tablet, sentadas à mesa.

Jogos, animações, desenhos e atividades interativas são essenciais para qualquer material didático atual. Na geração dos jogos e da internet essas ferramentas conseguem rapidamente chamar atenção dos alunos, justamente por serem algo tão presente em seu cotidiano.

No momento da avaliação didática, portanto, é importante considerar materiais em que esses recursos sejam explorados, para que a a integração e dinamização do processo ensino/aprendizagem seja facilitada, através de novas formas de pensar e se desenvolver.

Isso pode acontecer, por exemplo, por meio de jogos pedagógicos que trabalhem os conteúdos vistos em sala através de atividades lúdicas, que é justamente a proposta principal do Escribo Play.

5. Possui materiais complementares

Além do livro didático em si, é importante considerar um material didático que venha acompanhado de recursos extras para o enriquecimento da aula, para que ela se torne o mais dinâmica e ambientada possível.

Isso pode acontecer, por exemplo, por meio de cartazes que ilustrem determinados conteúdos a serem estudados facilitando assim o processo de ensino.

Você já escolheu seus materiais didáticos para 2016?

Embora o processo de aprendizagem ocorra durante toda a vida, o desenvolvimento de nossa capacidade de aprendizado é concentrado durante a infância e por isso a importância de escolher um material didático que promova suporte adequado as aulas.

Print de jogo Escalada, do app Escribo Play.Nós da Escribo entendemos a importância desse momento e por isso desenvolvemos o Escribo Play, um app de jogos educativos produzidos especialmente para a educação infantil e os anos iniciais do ensino fundamental.

Se você quiser acessar o Escribo Play e conhecer tudo o que os jogos têm a oferecer, basta clicar nesse link para acessar. E para acompanhar esses e outros conteúdos assim que saírem, assine as notificações tocando no sininho ao lado. Até mais!

Deputado Quer Levar a Educação Brasileira de Volta à Era da Pedra

Já se sabe que a educação brasileira é um grande desafio. Nós temos um país grande, rico e diverso, embora pouco disso tenha se refletido em nossa educação. O que vemos são problemas de infraestrutura, valorização insuficiente dos professores e uma falta de ação efetiva por parte dos governantes.

O caminho para mudar esse cenário é a criação de espaços de diálogo entre a população e os representantes políticos, para que possamos decidir em conjunto as prioridades e quais caminhos seguir. Infelizmente, não é assim que algumas autoridades pensam.

Sem discussão com a sociedade, sem levar em conta as pesquisas da área, saindo da inercia (típica do legislativo brasileiro em questões polêmicas) para a ação unilateral, o Deputado Alceu Moreira propôs um projeto de lei que pode jogar a educação brasileira, do estado precário em que se encontra, de volta à Idade de Pedra.

Antes de tudo, que projeto de lei é esse?

Camara de deputados - Brasil

Que a tecnologia se tornou algo universal não é mais novidade. Cada vez mais ela é parte de nossas vidas. A chegada da tecnologia na sala de aula e sua influência no aprendizado como um todo, portanto, não é uma surpresa.

Todos os anos, milhares de pesquisadores pelo mundo fazem estudos detalhados para nos ajudar a entender como melhor integrar a tecnologia à sala de aula, facilitando a vida dos professores e o aprendizado dos alunos.

Ignorando evidências sólidas e os estudos realizados nos centros de referência, um deputado quer aprovar uma lei que proíbe aparelhos eletrônicos portáteis na sala de aula. Simples assim.

O projeto de lei proposto pelo deputado Alceu Moreira é uma atualização de um projeto mais antigo, proposto em 2007 (PL 2246/07). Este sugeria a proibição de telefones celulares na sala de aula, enquanto que o novo expandiu a proibição para qualquer eletrônico portátil (o que inclui tablets).

Ao invés de abrir um espaço para debates, convidar a população e os estudiosos da área para conversar, o deputado simplesmente sugere tornar crime o uso de tecnologia na sala de aula. O que é uma ótima forma de andarmos para trás em termos de desenvolvimento, para a “idade da pedra”, num setor tão frágil quanto a Educação no Brasil.

Art. 1º Fica proibido o uso de aparelhos eletrônicos portáteis nas salas de aula dos estabelecimentos de educação básica e superior.

O texto já foi aprovado pela Comissão de Educação e Cultura, mas ainda está pendente para análise em outras duas comissões antes de ir à votação.

Parágrafo único. Serão admitidos, nas salas de aula de estabelecimentos de educação básica e superior, aparelhos eletrônicos portáteis, desde que inseridos no desenvolvimento de atividades didático pedagógicas e devidamente autorizados pelos docentes ou corpo gestor.

Um ponto que pode ter chamado sua atenção é o trecho final do parágrafo único acima, o qual abre uma exceção no caso de aulas planejadas.

“Então,  o projeto só fala da proibição de aparelhos fora do plano pedagógico. Se a escola decidir implantar um projeto com tablets, por exemplo, ela pode. O que há de errado nisso?”

O verdadeiro problema com a lei que proíbe tablets e celulares em salas de aula

O PL 104/15 justifica que a falta de atenção do aluno nas aulas é decorrente do uso indiscriminado de aparelhos eletrônicos, por isso deve-se proibi-los.

Parece bem simples, certo? Se os alunos estão distraídos, então vamos proibir a fonte de distração.

O problema é que a educação não é um campo simples e direto assim; é complexa e cheia de nuances. Existem diversos fatores que distraem os alunos e a tecnologia, ao contrário do que afirma o ilustre deputado, já foi identificada em estudos como fator de engajamento dos alunos.

Sabe-se que é preciso uma melhor gerência da tecnologia na sala de aula, mas a simples proibição através de uma lei é o melhor caminho?

Pode ser que esse ambiente proibitivo deixe os estudantes e professores desconfortáveis, o que causará um impacto negativo na motivação e no aprendizado. Outra possibilidade, bastante provável, é afastarmos ainda mais os jovens de nossas escolas, aumentando a evasão escolar, que no Brasil gira em torno de 25% – terceira taxa mais alta do mundo de acordo com dados do PNUD.

O risco é alto e os benefícios não estão tão claros para que se justifique tomar uma decisão tão drástica como prega tal projeto de lei. O deputado em questão saberia disso se tivesse consultado especialistas qualificados na área ou se tivesse aberto um debate a respeito.

1. Celular na sala de aula pode dar cadeia?

Aqui fica claro como há um uso desproporcional de força legal para resolver um desafio pedagógico. Já imaginou se, cada vez que um estudante quebrasse uma regra na sala de aula, fosse preciso chamar a polícia militar para levar o aluno para a delegacia?

Não faz o menor sentido propor uma lei se não há forma prática de se coibir quem a desobedece. Aliás, isso pode ser um indício (como é, nesse caso) que a legislação foi feita sobre um assunto que deveria ser tratado de outra maneira.

2. E a autoridade do professor?

O professor, como mediador entre o estudante e a aprendizagem, sempre deteve a autoridade para utilizar os recursos didáticos necessários para sua aula. O docente procura formas de melhorar a aprendizagem e de manter os alunos atentos e interessados. Será que uma “proibição vinda de cima” vai realmente ajudar o professor em sua tarefa de ensinar?

O que algumas pessoas não percebem é que o projeto de lei “inofensivo” e “bem intencionado” abre um precedente perigoso na educação: que todo problema na sala de aula seja resolvido por uma legislação, sem debate com as partes envolvidas.

Como professor, gestor, diretor, ou mesmo aluno, você consegue imaginar como seria uma sala de aula com quase tudo regido por leis federais?

A resposta está no cultivo de boas práticas, não em leis

Tecnologia na sala de aula

Tecnologias, até mesmo pela definição da palavra, são ferramentas à disposição de quem as utiliza. Não há nenhum valor intrínseco positivo ou negativo na ferramenta em si, apenas na forma como é utilizada.

O mesmo raciocínio se aplica às tecnologias educacionais.

Inúmeros estudos são feitos todos anos demonstrando correlações positivas entre uso da tecnologia e melhor aprendizado. Se a internet, os tablets, os computadores, os aplicativos forem usados para estimular a imaginação dos estudantes e amparar o trabalho do professor, com objetivos claros, podem ter impactos positivos não apenas nas notas, mas no desenvolvimento de habilidades e no engajamento dos estudantes.

As novas tecnologias e abordagens pedagógicas estão também transformando o papel do professor em sala de aula. O mais recente relatório do NMC (New Media Consortium), mostra tendências tecnológicas que devem se difundir na educação básica com mudanças na atuação docente. O professor não será substituído, mas sim será elemento fundamental para mediar, ensinar os estudantes a aprender, a relacionar conteúdos pedagógicos com o mundo real, a pesquisar além da internet.

“Uma das imagens mais caricaturescas difundidas da tecnologia na educação representa um computador que substitui o docente, oferecendo automaticamente a informação aos estudantes. Mas isso tem levado a resultados pobres, particularmente quando a ênfase dos currículos já não está apenas nos conhecimentos, mas também nas competências”, diz Francesc Pedró, representante da Unesco para educação.

Não é uma questão de “ou professores, ou aparelhos eletrônicos” na sala de aula; mas sim de “professores e aparelhos eletrônicos” para facilitar o papel do professor e melhorar o aprendizado dos estudantes.

O Brasil não pode remar contra a maré educacional

FOTO: Iran Daily

FOTO: Iran Daily

A UNESCO acredita que as Tecnologias de Informação e Comunicação podem contribuir com o acesso universal da educação, a equidade na educação, a qualidade de ensino e aprendizagem, o desenvolvimento profissional de professores, bem como melhorar a gestão, a governança e a administração educacional ao fornecer a mistura certa e organizada de políticas, tecnologias e capacidades.

Portanto, o uso de tecnologias é uma estratégia que permite que o aluno aplique na prática o que aprendeu de maneira a conectar os conteúdos curriculares com o mundo real, auxiliado pelo professor. Não podemos deixar todo esse potencial de lado para apoiar, por mais “bem intencionada” que seja, um projeto que tenta regulamentar o uso de tecnologias através de proibição legal. O precedente negativo que isso criaria é desastroso.

Causar mudanças significativas na educação brasileira é um desafio e tanto. Não vamos tirar da mesa a tecnologia, uma de nossas aliadas mais fortes nesse projeto.

Por isso, é importante que você compartilhe esta notícia, especialmente com amigos de profissão, para que não deixe que este projeto absurdo jogue nossas crianças no passado!

Celulares e tablets na sala de aula: de vilões à mocinhos em 4 passos

Existe um cenário recorrente em muitas salas de aula:

O professor está ensinando conteúdos importantes na sala de aula enquanto os alunos que deveriam estar aprendendo se distraem nos aplicativos de mensagens instantâneas, como o chat do Facebook ou o Whatsapp, ou jogando games de entretenimento nos tablets, como Candy Crush e derivados.

O WhatAapp, por exemplo, é o programa de mensagens mais utilizado Brasil, com uma média de 1200 mensagens trocadas por mês pra casa usuário de acordo com o blog VejaIsso.

É necessário mudar as políticas de uso dos dispositivos móveis em sala de aula a fim de evitar distrações. E o mais interessante é que podemos converter esse cenário de forma mais fácil do que parece, segundo a especialista em marketing digital Vanessa Collister.

Como engajar alunos e driblar a distração com aprendizado e produtividade?

O celular, assim como o tablet, é uma ferramenta poderosa que pode ser usada de várias maneiras para cativar a atenção das pessoas. Então por que não tirar o foco dos alunos da distração (mensagens, jogos e aplicativos de entretenimento) com conteúdo educativo nos dispositivos móveis?

A fórmula é simples: se eles estão se ocupando no celular ou tablet com aplicativos e jogos educativos, não poderão usá-lo para entretenimento e troca de mensagens – dessa forma, você converte o celular de inimigo para aliado no ensino.

Encoraje-os a trazer os celular e usá-los para aprender com algumas técnicas:

1. Aplicativos educativos

IPad_2_screen_demonstration_at_unveilingExiste uma gama de apps voltados ao aprendizado disponíveis no mercado, desde facilitadores no aprendizado de línguas, como o Duolinguo, à plataformas de ensino de música através de jogos, como a Turma do SomAlém de tornar as aulas mais instigantes, conteúdos digitais nas salas de aula garantem um aprendizado ainda mais rápido, com resultados visíveis.

2. Estimular o uso do celular para fazer pesquisas

IMG_6031-1300x866

Por que não fazer uso dos celulares para pesquisas da disciplina? Peça-os para, por exemplo, encontrar histórias sobre o tema ou a resposta para algumas perguntas feitas em sala. Indique sites com dados úteis, mapas, gráficos.Faça competições na própria sala de aula, onde quem responder mais rápido vence. Eles se sentirão estimulados e trocarão na hora o Whatsapppelo o Google.

3. Desafiando “alunos problema”

pixabay

Quando aquele aluno de comportamento difícil estiver distraíndo os colegas ou paralisando seu próprio aprendizado, faça-o responder alguma questão que está sendo discutida em sala com o auxílio de pesquisas pelo dispositivo móvel. Dessa forma, você vai estar encorajando-o à utilizar o celular para buscar conhecimento em vez de desperdiçar tempo de aula.

4. Usar os celulares para calcular

uuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

Hoje em dia, todos os celulares e tablets estão equipados com calculadoras científicas.Use isso à seu favor, pedindo para os alunos realizarem cálculos de forma instantânea para agilizar a resolução de problemas mais elaborados.

Além de estimular o uso saudável dos celulares nas salas de aula, é preciso estabelecer políticas de uso previamente, com regras de como os celulares podem ser usados naquele ambiente e quais as limitações que devem ser obedecidas. O segredo é estabelecer controle, adaptar o uso à favor do aprendizado em vez de proibir e limitar.

Afinal, inevitavelmente, todos os alunos estarão com os celulares na sala de aula. Então, por que não usar esse “instrumento de distração” em ferramenta educadora?

“”Liguem os telefones celulares.” Quando esta for a primeira frase que o professor disser a seus alunos ao entrar na classe, em vez de mandar que os desliguem, a mudança será real. No mundo atual, plenamente digitalizado, a entrada da tecnologia na educação não tem retorno.” – em “Sete motivos para ligar o celular na sala de aula”, por Susana Pérez, do El País.

Cinco ferramentas efetivas de gestão escolar online!

Cinco ferramentas efetivas de gestão escolar online!

Controle de frequência, comunicação interna, avaliações e notas, envio de materiais de estudo, mensagens para as famílias… São muitas as demandas que o professor precisa administrar além de preparar e dar aulas. Nesse contexto, acredito que muitas dessas ainda são realizadas à mão, como o controle de frequência e a organização de notas com múltiplas cadernetas para cada turma. Isso toma bastante tempo no dia a dia. 

Mas hoje já é possível unir diversas dessas demandas em plataformas online, o que otimiza o tempo e promove o compartilhamento de informações. Por isso, listamos cinco plataformas bastante úteis para a gestão escolar, onde o(a) educador(a) pode ver a frequências de alunos(as), notas, materiais de estudo e atividades, além de facilitar a comunicação entre a coordenação pedagógica e acadêmica, professores e famílias.

Agenda Edu

Como o nome sugere, a Agenda Edu é um aplicativo de agenda que pode ser integrada aos principais sistemas de gestão escolar. Além disso, ela pode listar todos os conteúdos que as crianças viram em sala, enviar comunicados e notificações para as famílias em canais de comunicação personalizados e muito mais.

Pela Agenda Edu, as famílias também podem fazer pagamentos para passeios, eventos ou materiais complementares. O app tem ainda um diário que registra atividades, cuidados com a saúde e a alimentação e todas as pendências e tarefas de casa da criança.

São diversas funcionalidades juntas com um visual limpo, moderno e bem intuitivo. Disponível para iOS e Android, o app já atende mais de 1.500 escolas e 1 milhão de usuários.

Gabaritando

O Gabaritando veio para automatizar a correção de gabaritos em provas e simulados. Ele é capaz de comparar dados estatísticos, assim professores(as) e coordenação podem analisar as informações e montar planejamentos pedagógicos que tragam resultados positivos para os estudantes.

Além de poder acelerar o processo, o Gabaritando se propõe a comparar o desempenho de alunos com outras turmas, escolas e destacar quais áreas o(a) jovem precisa dedicar mais tempo de estudo.

Escribo Play

Tela do jogo Praia exibe jogo dos sete erros com uma imagem do fundo do mar repleta de peixes, corais e tubarões. Sugestão de férias 1.O Escribo Play é reconhecido por fortalecer o aprendizado das crianças e aproximar as famílias da escola. Por isso, não dá para falar de gestão escolar sem lembrar dos diferenciais do aplicativo. Um deles é o envio de jogos como tarefas de casa diretamente pelo app, disponíveis no menu Atividades, na tela principal do aplicativo. A equipe de educadores(as) escolhe quais os jogos mais adequados para as crianças jogarem em casa.

As famílias e as professoras recebem no celular ou tablet avisos de atividades para casa, novas funcionalidades e o lançamento de jogos inéditos habilitando as notificações do Escribo Play.

Outro auxílio à gestão pedagógica é a parte de relatórios entregues com frequência às escolas parceiras. O aplicativo salva cada jogada das crianças e organiza esses dados de forma prática. Esses documentos mostram o desenvolvimento das habilidades da criança de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Assim, tanto as famílias quanto as escolas podem acompanhar o crescimento dos pequenos.

Escolaweb

O Escolaweb foi desenvolvido para atender a diversas necessidades das escolas num só lugar. Com ele, é possível acelerar o trabalho de captação de alunos, organizar receitas, despesas e fluxo de caixa e controlar quem entra e quem sai da escola com catracas integradas à plataforma.

Um outro objetivo é reduzir a inadimplência com mensagens e notificações automatizadas. O EscolaWeb promete facilitar a comunicação da escola com a família, desde a educação básica até o ensino superior.

Imaginie

A proposta do Imaginie é deixar mais prática a correção das redações dos(as) alunos(as). Os textos são avaliados com base em cada uma das cinco competências do Enem, e os(as) professores(as) ainda podem analisar o desenvolvimento do(a) estudante, a média em relação à escola e ao desempenho dos outros usuários do Imaginie.

A plataforma oferece uma série de facilidades, como a devolução rápida das redações corrigidas para os(as) alunos, acesso online em qualquer lugar, feedbacks, grande variedade de propostas de textos e diversas outras.

Vale relembrar: Etutore

Hoje descontinuado, o Etutore era conhecido por atender a todos os níveis de ensino, da educação infantil ao superior, incluindo o Ensino à Distância. Estudantes podiam acessar os conteúdos vistos em sala de aula a qualquer hora ou lugar. O Etutore era bom também para professores(as), pois tinha espaços para listas de exercícios e avaliações feitas no próprio ambiente virtual, tanto com questões discursivas como objetivas. 

O Etutore foi uma das plataformas pioneiras no ramo porque, através de algoritmos, usava o histórico escolar para tentar prever se os alunos estavam aptos para processos seletivos. Além disso, ainda tinha funções para ajudar na gestão financeira da escola. 

Essas são algumas das ferramentas que prometem ajudar e muito na gestão escolar. E se você quiser saber mais sobre o Escribo Play, você tem diversas possibilidades. Toque no sininho ao lado para receber notificações do nosso Blog Ciência do Aprendizado, no símbolo de chat para conversar diretamente conosco ou mande uma mensaegm no nosso WhatsApp. Um grande abraço, e até mais!

Conheça os 7 componentes do ecossistema de aprendizado na era digital

Um ecossistema é, por definição, formado pela interação de organismos vivos em comunidades. Quando visitamos uma sala de aula na era digital, é possível traçar um paralelo com a ideia de ecossistema, pois vemos alunos usando ativamente diversas ferramentas de tecnologia com o objetivo de adquirir mais informações. Nesse ecossistema, vemos estudantes e professores como os organismos vivos que interagem entre si e com o ambiente da sala de aula de forma orgânica, visando construir um aprendizado baseado em experiências.

Quais são os componentes desse ecossistema de aprendizado na era digital? Quais são as instalações necessárias para formar um ambiente de aprendizado sustentável, que perdura através do tempo e das adversidades? O doutor em tecnologia educacional Tim Clark listou algumas das medidas essenciais em um ecossistema de aprendizado sustentável na era digital, a fim de estimular professores e diretores à otimizarem seus espaços pedagógicos:

1. Senso de comunidade

Professores nutrem intencionalmente um senso de comunidade nos ecossistemas de aprendizagem na era digital. Essa nova geração de educadores conhece os interesses, pontos fortes e desafios de seus estudantes, e está ansiosa para aprender junto com eles. Em vez de se colocarem como os experts e guardiões de todo o conhecimento, os professores do ecossistema de aprendizado na era digital possuem uma metodologia horizontal, que lhes oferece a oportunidade de aprender e desenvolver habilidades ao explorar com seus alunos os conteúdos digitais. Nesse ecossistema, uma das tarefas do professor é arraigar a cidadanida digital às salas de aula, pois muitos estudantes trazem de casa, já desenvolvidas, suas próprias normas e formas práticas de coexistir com a tecnologia, que nem sempre são ideais – logo, os professores precisam encorajar e estimular o uso saudável da tecnologia e destacar quais devem ser as principais fontes de pesquisa, agindo como mediadores neste mundo de conteúdos sem fim.

2. Perguntar é essencial

Professores devem desenvolver aulas e unidades de estudo com uma postura essencialmente aberta para receber perguntas. Na era digital, essa estratégia é necessária no ecossistema de aprendizagem pois provoca um interesse mais profundo dos alunos pelos conteúdos, maior reflexão das ideias expostas em aula, e principalmente encoraja os alunos à desenvolverem, sozinhos, soluções para futuros problemas. A medida que as aulas são moldadas buscando a interação dos alunos através de perguntas, mais é promovida e estimulada a cultura da inovação e da pesquisa empírica na sala de aula.

3. Conteúdo digital instigante e cativante

Não basta o conteúdo ser digital, ele precisa ter qualidade. Senão será apenas mais um livro dentro de um tablet, o que ajuda a diminuir o peso nas mochilas, mas em nada inova ou instiga. Estudantes do ecossistema de aprendizado digital precisam acessar conteúdos ricos em recursos multimídia, como jogos interativos e animações. Professores podem modelar suas estrategias conduzindo, por exemplo, pesquisas inteligentes para encontrar aquela informação necessária na questão. Tal informação pode ser revisada e autenticada por eles mesmos, estimulando desde cedo pesquisas bem feitas, nos portais ideais, de forma que futuramente eles já estejam aptos à lidar com a vasta infinidade de literatura digital disponível na web. O conteúdo digital de qualidade também permite que o conhecimento seja upado e compartilhado com outras salas de aula, promovendo novas atividades e experiências pedagógicas.

4. Avaliar para Aprender

Uma vez que o conteúdo digital é algo novo, o modo de avaliação não pode ser velho. O professor deve direcionar sua avaliação para práticas que estimulem o surgimento de ideias e habilidades inéditas para resolução daqueles problemas, utilizando discussões participativas, conteúdos produzidos pelos próprios alunos a partir daquela tecnologia educacional e apresentações multimídia, garantindo sucesso nas avaliações.

5. Múltiplas ferramentas tecnológicas

Sejam os tablets e celulares que os próprios estudantes trazem de casa ou os computadores e plataformas oferecidos pela escola, cada tecnologia desenvolverá novos propósitos para o ecossistema de aprendizagem na era digital. Cada uma será o meio de construir conexões entre professores, estudantes e conteúdos. Quanto mais opções de ferramentas, mais opções de tarefas para realizar com elas surgirão. Nesse contexto, haverão situações em que um smartphone ou um tablet serão a mais apropriada plataforma, seja para tirar uma foto, responder uma questão ou acessar conteúdo, mas em outros momentos o uso de um laptop ou computadores desktop deve ser mais indicado. O importante é que não faltem opções: quadros interativos multimídia, equipamento de vídeo, aulas com material em 3D. Aprender quando e como usar a ferramenta certa para determinada atividade é essencial para favorecer o ecossistema de aprendizado na era digital.

6. Design que contemple a diferença e a acessibilidade

Os professores da nova geração precisam atentar para um fato ignorado por muitos anos na educação: cada estudante é único. Logo, no ecossistema de aprendizado na era digital não há nenhum modelo “certo” e excepcional que contemple todos os alunos no processo pedagógico. Cada aluno tem diferentes pontos fortes e desafios, então suas experiências de aprendizagem devem ser adaptadas com base em suas diferenças pessoais. Personalizar o aprendizado deve incluir suportes para estudantes com dificuldades acadêmicas como TDAH ou deficiências físicas,  favorecendo a inclusão. Ferramentas de acessibilidade bem pensadas também são capazes de engajar todos os alunos, por reduzir fatores que poderiam diminuir ou limitar o sucesso, impedindo que a participação seja igualitária.

7. Ambiente divertido e boa infraestrutura para aprender mais

A sala de aula ideal contempla o ambiente digital mas inclui, igualmente, uma variedade de espaços e ferramentas à disposição da necessidade que cada atividade gera. Uma área com uma cesta de livros e alguns pufes coloridos, espaços para discussão e trabalho colaborativo, mobília vibrante e de fácil mobilidade (para ser facilmente arranjada de outra forma) são algumas ideias de como tornar o ambiente acolhedor e funcional, possibilitando múltiplas situações de aprendizado.

Apesar de descritos separadamente, Tim afirma que cada componente do ecossistema de aprendizado na era digital são partes integradas, que com o suporte ideal criam vida à medida que professor e alunos desenvolvem um senso de propriedade e orgulho pelo sistema sustentado por eles mesmos, e orgulho pelo sucesso alcançado.

O que você achou desses componentes? É possível transformar sua sala de aula em um ecossistema de aprendizado na era digital também?