fbpx

Foto em destaque: jcomp/Freepik.

Ainda que o chamado “aluno difícil” seja apenas uma criança à mercê de emoções que não podem controlar ou entender, pode ser complicado para um professor manter a calma e não levar as ofensas e o comportamento para o lado pessoal. Muitas vezes, é difícil lidar com alunos indisciplinados e desinteressados.

Crianças de temperamento difícil costumam esconder toneladas de dor.  Elas se defendem contra os sentimentos ruins construindo paredes ao seu redor, onde se protegem da rejeição.

Cada esforço de um adulto que se importa para penetrar essas paredes encontra uma resistência expressada em afastamento emocional e/ou linguagem, gestos e ações ofensivas.

Como bebês incapazes de articular de onde vem seu próprio desconforto, essas crianças precisam urgentemente de adultos pacientes, determinados e com jogo de cintura o suficiente para não levar o comportamento ofensivo para o lado pessoal.

Aqui vão algumas dicas de como o professor pode se conectar ou reconectar com esse tipo de aluno:

1. Reconheça as qualidades dos alunos difíceis

Expresse positividade diariamente para cada um de seus alunos. Por mais difíceis que eles sejam, interaja com eles sempre de forma acolhedora.

Por exemplo, se um aluno aparentemente desinteressado e cronicamente atrasado chegar na sala, evite ignorar ou advertir imediatamente. Em vez disso, faça do seu primeiro contato com ele um gesto de apreciação por ele ter vindo à escola.

Exemplo: Estava esperando mesmo que você aparecesse. Feliz que você veio! Seja bem vindo. Por sinal, estamos na página 62.

Quando finalmente não houver mais ninguém ao redor, expresse sua preocupação e explique as consequências daquele comportamento.

Exemplo: Estou preocupada com seu desempenho, pois chegando atrasado você fica para trás nos conteúdos em relação aos outros colegas. Você vai ser advertido por esse atraso, mas o mais importante para mim é saber como posso ajudá-lo a chegar aqui na hora certa. Está acontecendo alguma coisa?

2. Use frases encorajadoras durante a aula

Frases que motivam os alunos contribuem para que eles se conectem à aula e ao conteúdo. Afinal, muitos alunos difíceis só buscam um pouco de aprovação. Buscar brechas para utilizar esse tipo de frase durante o dia é uma forma de lidar com alunos indisciplinados e desinteressados.

Pode ser “Parabéns por ter conseguido!”, “Essa questão foi difícil, parabéns!”, “Foi ótimo te ver fazendo ____”, “Espero que você esteja orgulhoso por ter feito ____, porque eu estou!”, etc.

3. Enxergue o “pior aluno” como o melhor

Pense no seu melhor aluno. Quem é o mais bem comportado? O mais motivado? Quais adjetivos lhe vêm à cabeça ao falar dessa criança?

Observe como você interage com esse aluno e tente agir da mesma forma com aquele outro mal comportado durante uma semana. Veja o que acontece com essa mudança de tratamento.

4. Envie relatórios de progresso para os pais

Faça uma carta ou email que descreva de forma breve para os pais os avanços que o aluno vêm fazendo em relação ao seu comportamento. Mostre que você vem observando progresso e tem boas expectativas para o filho deles.

As dicas que você leu acima são de autoria do autor e educador Dr. Allen Mendler, mas a Escribo tem mais uma dica de como você pode lidar com crianças indisciplinadas:

5. [EXTRA] Use jogos!

O jogo aumenta o interesse da criança pela educação devido ao fator inovador, enfatiza a importância de seguir as regras, a sociabilidade e o autoconhecimento – afinal, para ganhar é preciso conhecer as regras, o oponente e a si mesmo.

Saiba como aproveitar o papel pedagógico dos games na educação através dessa entrevista com os especialistas em jogos para educação Carlos Seabra e André Zats para o canal NET Educação:

O jogo teria a potencialidade de extrapolar o simples aprender sobre como jogar, tornando-se um lazer inteligente que exercita uma série de outras capacidades, como respeitar regras e lidar com a frustração.

O nosso aplicativo Escribo Play é um ótimo exemplo de ferramenta para exercitar essas capacidades. Com jogos pedagógicos digitais, motivamos as crianças a aprenderem ainda mais o que elas já veem com as professoras em sala de aula.

Em nossas pesquisas, descobrimos que estudantes usuários dos jogos da Escribo aprenderam 68% a mais em leitura e 48% a mais em escrita. É um ótimo exercício de foco e de competencias socioemocionais, não é mesmo?

E você, como se relaciona com alunos difíceis? Já pensou em como se reconectar com eles? Comente!

Não esqueça de assinar agora as notificações do Blog da Escribo tocando no sininho ao lado. Assim você recebe conteúdos novos sempre que saírem. Grande abraço!