fbpx

Créditos da imagem: thyblackman.com

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) revelou em 2012 dados preocupantes para os educadores: 49% dos estudantes brasileiros na faixa dos 15 anos apresentam baixo desempenho em leitura. 

E a situação é ainda mais desanimadora: o Movimento Todos pela Educação realizou um estudo evidenciando que apenas 44,5% das crianças que concluíram o 3º ano do ensino fundamental apresentam uma aprendizagem adequada de leitura e interpretação de acordo com a Prova ABC, também em 2012.

Segundo a doutora em educação pela Universidade de Brasília (Unb) Ana Luiza Amaral, esse quadro precisa ser revertido para que a meta 5 assumida pelo Governo Brasileiro no Plano Nacional de Educação (PNE) seja cumprida. A meta visa alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3o (terceiro) ano do ensino fundamental nos próximos dez anos.

Mas como podemos fazer nossa parte?

“A leitura do mundo precede a leitura da palavra” Paulo Freire

A alfabetização deve ser garantida para todas as crianças até o 3º ano do ensino fundamental, segundo meta do Governo Federal.

A alfabetização deve ser garantida para todas as crianças até o 3º ano do ensino fundamental, segundo meta do Governo Federal.

De acordo a psicologia, seres humanos agem por condicionamento a partir de estímulos. Se queremos crianças leitoras, a leitura precisa virar hábito. E para esse hábito não virar apenas uma obrigação, é preciso estímulos que tornem a leitura prazerosa e benéfica para elas.

Logo, o papel do adulto e do educador está em apresentar o mundo da leitura de forma positiva para as crianças. Sendo assim, vejamos como começar:

  • Primeiro passo: Identificar a fase em que a criança se encontra
  • Segundo passo: Integrar a leitura à rotina de acordo com a fase para que ela se torne um hábito com mais facilidade

A idade e fase educacional que a criança se encontra irão definir a forma de como seu cérebro absorve conhecimento. Pensando nisso, Ana Luiza Amaral bolou cinco estratégias transformadoras para cada uma dessas fases, desde a pré-alfabetização, para os pais.

A Escribo adaptou cada uma dessas para os educadores e a realidade da escola. Confira:

15 dicas para estimular a leitura em crianças 

Antes da alfabetização:

 

Créditos: KisforKids.com

Créditos: KisforKids.com

 

1. É fundamental possibilitar à criança entrar em contato com os livros desde cedo

A criança pecisa se familiarizar com o livro. Seja tocando, manuseando, brincando. Muitas editoras oferecem livros diferenciados para esta fase, com material apropriado – plástico, texturas diferentes e cores variadas compõe as opções para crianças pequenas no mercado atual. As escolas precisam disponibilizar esse material em sala, em cestas de livros ou criando um “cantinho da leitura” com o auxílio dos professores. Além disso, aulas e visitas periódicas na biblioteca é essencial para essa familiarização. Aulas de campo em espaços em que elas entrem em contato com os livros, como feiras e bienais, também são importantes.

2. Perceber o interesse dos adultos em relação à leitura favorece o interesse da criança

Nessa fase, as crianças adoram imitar adultos, brincar com essa realidade. Se os professores e funcionários gostam de ler e têm o hábito de levar livros para a escola, esse comportamento tende a influenciar a criança, contribuindo para que ela também desenvolva o gosto pela leitura. Crie campanhas e reforce a importância da leitura e dessas pequenas atitudes entre professores e funcionários. Professores que falam sobre livros também contribuem nessa influência positiva.

3. É essencial ler para as crianças

O interesse pela leitura começa nesse vínculo, nessa troca. A criança entra no universo das histórias, se envolve, se encanta e começa a desenvolver o desejo de se apropriar da leitura, de se tornar um leitor. Uma dica é ler uma história por semana para a turma no final da aula, por exemplo.

4. Além de ler, é muito importante conversar com a criança sobre a história

Perguntar sobre o que ela entendeu, sobre qual personagem gostaria de ser,se ela daria um final diferente. Ler é muito mais do que decodificar, dar um som para letras, ler é construir sentido, é encontrar significado. Ao conversar sobre o que leu, a criança pensa, reflete, e desenvolve a sua capacidade de compreensão.

5. Os livros devem ser organizados em um local de fácil acesso para as crianças

A criação de um “cantinho da leitura” na sala de aula, como mencionado na primeira dica, pode ser organizada de forma simples, como em baús ou estantes baixas, possibilitando a sua busca, quando elas quiserem. A ideia é tornar o material acessível nas horas de intervalo e recreio ou na espera pelos pais na saída, por exemplo.

Durante a alfabetização:

Créditos: YogaGangsters.wordpress.com

Créditos: YogaGangsters.wordpress.com

6. Incentivar a leitura em conjunto

A leitura em conjunto encoraja a criança nessa jornada inicial rumo à alfabetização. Por exemplo: a criança lê uma parte com o professor em sala de aula, e outra em casa, até que ela tenha fluência para ler um livro inteiro sozinha. Outra forma é dividir a sala em grupos, onde cada um dos integrantes lê um parágrafo da história.

7. No início do aprendizado da leitura, oferecer livros com muitas imagens e pouca escrita

Quando a criança tem um desafio para além do que está preparada, pode ficar desestimulada. É importante oferecer livros de acordo com a faixa etária da criança e com seu nível de leitura. Sendo assim, o professor deve começar apresentando livros coloridos, com imagens, e depois ir aumentando a quantidade de escrita conforme o desenvolvimento da turma.

8. Incentivar a criança a ler externamente

Pedir para as crianças listarem o que viram nos outdoors durante o fim de semana é uma atividade possível para que a criança leve o aprendizado e a leitura para fora da sala de aula. Outra dica interessante é pedir que elas coletem (com o auxílio dos pais), nos jornais e revistas, temas do seu interesse. Existem cadernos e setores especiais para as crianças na grande parte das publicações atuais.

9. Mostrar a importância da leitura para a compreensão do mundo

A leitura de placas e tudo que está a sua volta, como embalagens, instruções e marcas, também é uma forma de chamar a atenção – e complementar o incentivo da 3ª dica.

10. Promover atividades que envolvam a leitura

Uma ideia divertida é atrelar a leitura à culinária. Incentivar a turma a ler a receita e fazer junto com ela algo simples e popular como brigadeiro ou bolo. É importante que a leitura seja algo prazeroso e não uma obrigação.

Depois da alfabetização:

Créditos: BarisGurka.com

Créditos: BarisGurka.com

11. A leitura para a turma deve continuar

Mesmo alfabetizada, é importante que a criança continue ouvindo histórias dos pais e professores, pois a troca afetiva que se estabelece no contato com os livros favorece o envolvimento com a leitura. Basta diminuir a periodicidade.

12. É interessante estimular a criança a inventar histórias e criar os próprios livros

O MEC possui, no portal do professor, um módulo ensinando como as crianças podem criar um livro de histórias na sala de aula. Confira aqui!

13. Incentivar a troca de livros

Favorecer o contato com uma diversidade maior de títulos ajuda a criança não só na leitura, mas na socialização – conversar com os coleguinhas sobre as histórias trocadas ajuda a turma a desenvolver as relações interpessoais. A ideia pode ser aplicada no mês dos paradidáticos, onde elas podem ir revezando as leituras com os outros.

14. Familiarizar a criança com diferentes gêneros literários

É importante que elas conheçam os diversos gêneros literários existentes e não deixem de ampliar os horizontes na leitura, podendo buscar coisas novas sempre que possível. Veja o que a pesquisadora em educação Maria Zélia Versiani Machado, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), diz a respeito dos gêneros literários na alfabetização infantil:

“A literatura infantil que hoje se publica para crianças bebeu em fontes variadas da tradição literária, que se atualizam criativamente a cada geração de leitores – daí a importância de identificá-las. […] Falar de gêneros da literatura pressupõe, assim, o diálogo com a tradição e com formas orais e escritas do texto literário, produzidas para crianças em diferentes épocas.”

15. Dosar o tempo de leitura

Por fim, para não sobrecarregar a criança, é importante que a leitura tenha seu tempo reservado nas aulas – mas que ele seja respeitado e não ultrapassado, deixando sempre um gostinho de quero mais.

DICA EXTRA:

Você sabia que ferramentas interativas auxiliam na alfabetização? Sim: tablets, jogos e aplicativos e outras tecnologias contribuem efetivamente para a alfabetização das crianças.

Para a educadora Renata Aquino, doutora e pesquisadora de tecnologias na educação na PUC-SP, existe uma necessidade de integrar o uso de recursos tecnológicos na escola, inclusive no processo de alfabetização. “A tecnologia já está presente na forma como o aluno lê o mundo hoje”, aponta, ao mencionar que eles fazem parte da chamada geração de nativos digitais (ou seja, já nasceram na era da tecnologia).

Segundo ela, os tablets e dispositivos móveis são ótimas ferramentas por conterem elementos visuais que incentivam a leitura e a escrita. Além disso, os games e as redes sociais educativas também ajudam a engajar e despertar o interesse do aluno. No entanto, ao utilizar a tecnologia como aliada durante o processo de alfabetização, a pesquisadora faz uma ressalva. “O professor precisa investir muito em planejamento. Para qualquer instrumento, ele deve pensar no contexto em que irá utilizar.”

boy reading in library

“É importante que a leitura seja algo prazeroso e não uma obrigação”, afirma a doutora em educação Ana Luiza Amaral

O que você achou das dicas? Caso saiba mais, por favor não deixe de adicioná-las nos comentários, para que mais educadores sejam contemplados!