fbpx

Na era digital, todos sabemos que é de bom senso ter a destreza no teclado e a alfabetização digital já é prioridade na maioria das escolas. Mas, por mais avançada que seja a tecnologia, desenvolver habilidades de digitação na primeira infância não substitui a alfabetização escrita.

É o que diz a neurocientista cognitiva Karin James, que realizou uma pesquisa com crianças que ainda não sabiam escrever, mas sabiam identificar letras. Cada uma ficava responsável por reproduzir letras de alguma forma, umas no computador, usando o teclado, e outras escrevendo num papel. Após a pesquisa, elas passaram por uma análise de ressonância magnética para mapear as áreas do cérebro em atividade.

O resultado mostrou que as crianças que escreviam no papel ativavam mais áreas do cérebro, desenvolvendo padrões cerebrais parecidos com o de crianças já alfabetizadas. Isso ocorre porque o exercício da repetição das letras, o olhar e reproduzir, demanda muito mais esforço da mente das crianças, o que torna-as mais engajadas à aprender. Apenas apertar os botões do teclado pode prejudicar esse desenvolvimento cerebral.

Além disso, o exercício de reproduzir a letra no papel faz com que a fluidez das ideias seja atenuada, ajudando a criança a pensar, o que foi provado em outro estudo da Dra. James: dessa vez, ela colocou um grupo de crianças para de fato escrever letras enquanto outro grupo apenas as observava.

Depois da ressonância, ela percebeu que apenas o grupo que praticou a escrita desenvolveu atividade cerebral, pois o real esforço em colocar “a mão na massa” fazia as áreas motoras do cérebro se engajarem, liberando os benefícios do aprendizado da escrita à mão.

A qualidade da leitura também é estimulada quando a criança escreve à mão. De acordo com os dados da primeira ressonância, escrever prepara um sistema no cérebro, que permite facilitar a leitura a partir do processo da própria escrita. E tem mais: trabalhar as habilidades motoras sofisticadas é benéfico para outras áreas do desenvolvimento cognitivo, pois as crianças estimulam mais a memória e fazem ativações neurais produtivas,  o que gera boas ideias, por exemplo, na hora de escrever uma história ou redação.

Em suma, nada parece substituir a alfabetização da escrita à mão até o dado momento. Muito do desenvolvimento cerebral da criança é perdido quando as atividades relacionadas à escrita cursiva são negligenciadas.

Uma possibilidade para as escolas mais modernas é atrelar tablets que simulem o aprendizado escrito do papel de forma paralela no ensino da criança, agregando as qualidades da tecnologia à necessidade cerebral da escrita cursiva. Outra dica da pesquisadora é não apressar o uso dos computadores antes das crianças estarem completamente alfabetizadas.

Pesquisas como essa colocam em cheque decisões como a da Finlândia, que a partir de 2016 não estará mais ensinando caligrafia para os seus alunos.

Você concorda com a pesquisa?