Hackademia apresenta o 1° Simpósio Online Sobre Novas Tecnologias Educacionais

Buscando difundir as novas formas de ensino que estão mudando o jeito de aprender, a Hackademia realizará, de 16 a 22 de Março, o 1° Simpósio Online Sobre Tecnologias Educacionais. As inscrições podem ser feitas pelo Facebook ou no próprio site. O evento conta com mais de 40 palestras ministradas por especialistas, acadêmicos, start-ups e escolas do Brasil e do Exterior, que elucidarão pais e educadores sobre como a educação pode transformar vidas e quais as ferramentas podem contribuir para um estudo melhor.

Confira a lista de representantes das grandes universidades e escolas brasileiras que estarão presentes no evento contando suas experiências em educação digital:

Émerson B. Pereira

emerson bento linked in

Foto: LinkedIn

 

É diretor de Tecnologia Educacional do Colégio Bandeirantes. Formado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), planeja e acompanha a implementação das atividades que envolvam o uso de tecnologia educacional e de meios e conteúdos digitais.

Stavros Xanthopoylos

Foto: LinkedIn

Foto: LinkedIn

Diretor Executivo do FGV Online. Possui título de Doutor em Administração de Empresas pela FGV-EADSP, leciona e coordena cursos em nível de pós-graduação em Educação a Distância há mais de 10 anos pela FGV.

Rita Maria Lino Tarcia

rita lino ead amazon

Foto: EADAmazon

 

A acadêmica é doutora e mestra em Linguística: Semiótica e Linguística Geral pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) e licenciada em Pedagogia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). Atua como Coordenadora Pedagógica do Curso de Especialização em Saúde da Família, oferecido na modalidade a distância pela Universidade Aberta do SUS – UANSUS/UNIFESP.

José Ernesto Bologna

Foto: Youtube

Foto: Youtube

Bacharel, licenciado e pós-graduado em Psicologia e em Administração de Empresas pela PUC/São Paulo e pela Universidade Mackenzie/SP. Fundador e principal titular da “Ethos Desenvolvimento”.

Luiza Mendes

Foto: LinkedIn

Foto: LinkedIn

Pedagoga, especialista em Planejamento Educacional e Gestão Escolar. Foi diretora e coordenadora pedagógica na rede pública estadual do Ceará e professora também na rede privada. Atua como tutora de cursos na modalidade a distância em diferentes instituições, como o Instituto Singularidades.

Augusto de Franco

Foto: Escola de Redes

Foto: Escola de Redes

É escritor, palestrante e consultor. Além de escrever livros sobre desenvolvimento local, capital social, democracia e redes sociais, é o criador e um dos netweavers da Escola- de-Redes – uma rede de pessoas dedicadas à investigação sobre redes sociais e à criação e transferência de tecnologias de netweaving.

Vanessa Spirandeo

Foto: LinkedIn

Foto: LinkedIn

Vanessa já foi tradutora, professora e revisora. Hoje atua como coordenadora de interação e conteúdo da EF Englishtown Brasil.

Adelmo Schindler Jr.

Coordenador do curso de graduação em Ciências Contábeis na modalidade a distância da UNIFACS – Universidade Salvador.

Simone Telles M. Ramos

Foto: LinkedIn

Foto: LinkedIn

Professora de língua inglesa para alunos dos cursos de Gestão Empresarial, RH, Eventos e Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Fatec Ipiranga e doutoranda com bolsa CAPES em Linguística Aplicada ao ensino de inglês com novas tecnologias.

Fabrício Lazilha

Foto: LinkedIn

Foto: LinkedIn

Graduado em Tecnologia em Processamento de Dados pela Universidade Estadual de Maringá, Fabrício participou da construção do Núcleo de Educação a Distância da UNICESUMAR, passando pelo credenciamento, consolidação do modelo pedagógico de TI, recredenciamento e reconhecimento de cursos e polos de apoio presencial.

Eliane Schlemmer

eliane shclem linked in

Foto: LinkedIn

 

Professora do Programa de Pós Graduação em Educação da UNISINOS, Eliane atua na área de Informática na Educação desde 1989, tendo experiência como docente e formadora de
professores para o uso de Tecnologias Digitais, além de ministrar diversos cursos em nível de extensão.

Gabriel Dualiby

Foto: Google+

Foto: Google+

Monitor de Educação Profissional no Senac Vila Prudente (SP), Gabriel possui Pós Graduação em Tecnologias na Aprendizagem pelo Centro Universitário Senac

Adriana D. Gonzaga

Foto: Facebook

Foto: Facebook

Adriana é Doutora em Biotecnologia e Professora Adjunta da UFAM.

Renato Bulcão

Foto: Lattes/CNPq

Foto: Lattes/CNPq

Professor da UNIP (Universidade Paulista), desenvolve conteúdo para Educação à Distância para diversas instituições.

Paula Carolei

Foto: Blog Articulando Oline

Foto: Blog Articulando Oline

Trabalha com Tecnologia Educacional desde 1993 e possui Possui graduação em Ciências Biológicas e doutorado em Educação pela USP e mestrado em Educação pela UNICAMP. Atualmente é professora adjunta da Unifesp.

Jacqueline Lameza

Foto: Facebook

Foto: Facebook

Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão de EaD pela Universidade Federal Fluminense – UFF – RJ. Atualmente é Coordenadora Geral EaD na UMC (Universidade de Mogi das Cruzes).

10 Recomendações da Unesco para um Bom Uso de Tecnologia Móvel em Sala de Aula

Como visto nesse post, a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) criou um guia de utilização e recomendações de políticas de uso para tecnologias móveis – tablets e celulares – nas salas de aula. No post mencionado, postamos os 13 bons motivos listados pela organização para adotar a tecnologia móvel no processo pedagógico. Hoje, você pode conferir abaixo as 10 recomendações da Unesco para um bom uso de tecnologia móvel em sala de aula:

  1. Criar e sempre atualizar políticas de uso ligadas ao aprendizado móvel
  2. Desenvolver estratégias para expandir e melhorar opções de conexão, garantindo equidade
  3. Conscientizar a comunidade escolar sobre a importância das tecnologias móveis na educação, com liderança, apoio e diálogo
  4. Permitir acesso igualitário entre estudantes
  5. Garantir equidade de gênero para todos os usuários e usuárias
  6. Criar e otimizar conteúdo educacional
  7. Treinar professores para avançar nos conteúdos através das tecnologias móveis
  8. Capacitar os professores usando as tecnologias móveis e disponibilizando suporte técnico
  9. Promover o uso seguro, sadio e responsável das tecnologias usadas
  10. Usar a tecnologia móvel para melhorar a comunicação e a gestão escolar

O guia finaliza com mais uma dica: A visão negativa de algumas pessoas acerca da tecnologia móvel está arraigada ao fato de que a maioria delas vê os dispositivos móveis como portais para o entretenimento, e não para a educação.

O papel do gestor escolar está em criar políticas que desconstruam essa imagem, educando-os sobre os benefícios da educação móvel.

Destacando como a tecnologia pode sofisticar as aulas, melhorar o aprendizado e a administração; compartilhando pesquisas e novas descobertas de programas e plataformas educacionais; encorajando o diálogo a respeito da educação somada à tecnologia entre a comunidade escolar (professores, coordenadores, estudantes, pais) e promovendo uma visão coerente de como a tecnologia pode acrescentar no aprendizado dentro e fora da sala de aula.

O manual na íntegra está disponível, em inglês, neste link.

Guia da Unesco Recomenda Incluir Celulares e Tablets na Escola

Cada vez mais a sociedade vem compreendendo a tecnologia como aliada da educação e do aprendizado. Ainda assim, algumas escolas ainda resistem à utilização de plataformas tecnológicas por simplesmente não saberem como inseri-las na sala de aula.

Visando orientar esse educadores a garantir resultados positivos com a tecnologia no meio pedagógico, a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) formulou um guia online, de acesso gratuito, com 13 convincentes motivos para adotar a tecnologia móvel como linha auxiliar na sala de aula. O guia conta, ainda, com 10 dicas e recomendações de políticas de uso para a inserção dos dispositivos móveis (como celulares e tablets) na sala de aula.

Durante o guia, a Unesco diz acreditar que os celulares podem expandir e enriquecer as oportunidades de aprendizado em diferentes cenários, visto que várias experiências evidenciam que, assim como tablets, celulares estão favorecendo as habilidades cognitivas de educadores e alunos ao redor do mundo.

A Unesco consultou experts em políticas de uso em mais de vinte países, e afirma que o guia pode ser usado e adaptado para as mais variadas instituições de ensino, como escolas, universidades públicas e privadas e cursos técnicos, além de colônias de férias pedagógicas. Além disso, a organização ratifica a importância de refletir sobre como adaptar as políticas de uso do guia para a realidade e o contexto de cada local.

Há uma introdução interessante sobre o que seria a aprendizagem móvel, que segundo o guia “envolve o uso da tecnologia combinada com a comunicação para se aprender em qualquer lugar, a qualquer hora”.

Como a tecnologia móvel está sempre evoluindo, o incentivo ao treinamento dos professores sobre tecnologia móvel também é frisado no guia, assim como a necessidade de criação de conteúdo educacional adequado para cada fase escolar e projetos que promovam uso seguro e responsável das tecnologias.

Por fim, a Unesco acredita que não usar (ou subutilizar) tecnologias móveis na escola é desperdiçar potenciais oportunidades de enriquecimento educacional. Abaixo é possível conferir os 13 motivos presentes no guia Unesco de Políticas de Uso para Aprendizagem Móvel. Nesse post aqui, o blog da Escribo trás as 10 dicas do guia para aperfeiçoar o uso pedagógico das tecnologias móveis. Você também pode acessar o documento na íntegra, em inglês, através deste link.

 

Os 13 bons motivos para usar tecnologia móvel na educação, segundo a Unesco

 

  1. A tecnologia móvel favorece maior abrangência e igualdade na educação
  2. Reaproxima da educação crianças que sofreram traumas em áreas de conflito ou desastres naturais
  3. Auxilia alunos com deficiência, promovendo a inclusão social na sala de aula
  4. Otimiza o tempo das aulas, o que aumenta o rendimento e a produtividade ao abranger mais conteúdo
  5. Possibilita a mobilidade do aprendizado, uma vez que é possível acessar o conteúdo em qualquer hora e lugar
  6. Constrói uma ponte de comunicação entre comunidades de ensino, onde é possível trocar dicas e experiências entre alunos e educadores mundo afora
  7. Serve como suporte para embasar as aulas “in loco”
  8. Liga a educação tradicional à educação moderna
  9. Aprimora a comunicação interna na instituição, melhorando a vida dos gestores e administradores
  10. Maximiza o custo-benefício do material educacional
  11. Contribui para uma educação contínua, deixando o conteúdo sempre fresco na memória do aluno, visto que é possível acessar o que foi aprendido além das salas de aula
  12. Favorece a personalização dos conteúdos aprendidos
  13. Possibilita feedbacks e avaliações imediatas

Como montar um projeto de tablets na sua escola

Os princípios por trás do BYOD apoiado pelos pais

Matéria de Tess Pajaron, publicada no EdSurge

Comprar tablets para usar na escola nem sempre é viável. Uma saída é incentivar que os alunos tragam os dispositivos que tem em cada para usar na escola. Este tipo de projeto está se tornando popular em vários países e é chamado de Bring Your Own Device (traga seu próprio dispositivo). A introdução bem sucedida de um programa BYOD não é uma tarefa fácil. Diretores e professores devem estar preparados para enfrentar vários desafios, como o desenvolvimento de uma política de utilização responsável e formação de pessoal. Talvez a parte mais importante do projeto seja explicar aos pais como deve ocorrer a introdução da tecnologia na sala de aula.

Uma transição eficaz para BYOD só será possível depois de um planejamento muito cuidadoso e detalhista, a partir de um projeto piloto, por exemplo. Ele pode ser ótimo para convencer os professores descrentes e pais que não entendem sobre o uso do BYOD em sala de aula. Apresentar o programa em fases ou numa base voluntária também irá ajudar os educadores a detectarem potenciais problemas e corrigi-los antes de lançar um projeto BYOD em grande escala.

Se você é um educador interessado em desenvolver um programa de BYOD em sua escola, já convenceu seus colegas céticos e o pessoal do administrativo, é hora de enfrentar o desafio final – os pais. Aqui estão algumas dicas sobre como educar os pais e fazer com que eles entendam a importância do projeto, apoiando-o totalmente.

Princípios dos projetos com tablets

É necessário orientar os pais: fornecer materiais educativos sobre as expectativas e as políticas de uso de dispositivos móveis, os benefícios de sua utilização na sala de aula e como exatamente eles vão ser usados para apresentar o material didático de uma forma atraente.

Você também terá que decidir quais os dispositivos que vai usar e, em seguida, explicar aos pais as razões por estar apoiando um tipo de dispositivos e excluindo outros. Certifique-se que os pais estão cientes de que todas as medidas de segurança tomadas para proporcionar a experiência mais adequada para os alunos – uma política especial de segurança BYOD – deve ser um dos principais pontos a ser enfatizado com os pais.

Como trabalhar a questão do custo

Se você quer que seu programa de BYOD traga um valor real para a sala de aula, você precisa ter certeza de que todos os alunos tem seus próprios dispositivos e podem acessar a web de suas casas. A questão dos custos é uma tarefa difícil – algumas escolas não serão capazes de obter financiamento para o projeto e os pais vão ser os únicos a equipar seus filhos com dispositivos escolhidos pela escola.

A fim de garantir que isso não se torne um problema grave do projeto, tente ver se a escola pode criar um serviço de empréstimo para ajudar a equipar todos os alunos com dispositivos móveis. Algumas escolas oferecem bolsas especiais para ajudar as famílias na compra de um dispositivo ou a instalação de banda larga em casa. Certifique-se de que este aspecto do programa esta bem estruturado antes de começar a convencer os pais de seu valor.

Como estabelecer a política de uso

Os pais costumam associar dispositivos móveis com jogos, por isso alguns deles vão duvidar do seu valor nas escolas e terão medo de que, em vez de participar ativamente das aulas, as crianças vão ficar ocupadas navegando na web. Explique aos pais como você pretende controlar o uso dos dispositivos móveis em sala e se certifique de que os professores estão cientes da política de uso e são capazes de aplicá-la quando necessário.

A importância de orientar os pais

Nem todos os pais entendem de tecnologia e alguns vão exigir explicações adicionais e, talvez, uma demonstração do potencial de uso do dispositivos na sala de aula. Você pode organizar uma sessão de treinamento, onde os pais irão se familiarizar com os dispositivos propostos e suas funcionalidades, experimentando a realidade da sala de aula em primeira mão.

Alguns pais podem temer que o seu conhecimento não seja suficiente para ajudar seus filhos em suas lições de casa, nos equipamentos digitais. Para se certificar de que os professores serão capazes de responder a todas as perguntas que os pais possam ter sobre o lado técnico do projeto, durante as primeiras fases do programa, a comunicação entre pais e professores deve ser mais intensa do que nunca.

Convencer os pais que um programa BYOD pode ser de grande valor para a educação de seus filhos não é fácil, mas é um dever – o seu apoio irá garantir o sucesso de toda a operação.