fbpx

Era um evento clássico: a Semana Jurídica da Escola de Direito e de Comunicação do Centro Universitário Newton Paiva acontecia tradicionalmente todos os anos com várias palestras quase nunca interessantes. Alguns alunos já não viam sentido no evento por achá-lo vazio.

Até que o professor Bernardo Gomes recebeu a incumbência da semana e resolveu fazer mais do que isso: repensá-la. Daí surgiu a ideia de inovar a programação, que culminou na realização de uma Semana Jurídico-Cultural,  com inserções artísticas na programação. Havia shows e peças de teatro tratando do tema, dando uma nova roupagem ao que já era visto de forma ortodoxa nos anos anteriores.

Assim, os alunos ficaram mais engajados e saíram do óbvio, adentrando em novas realidades proporcionadas pela arte e a música. Uma das atitudes do professor Bernardo foi colocar um músico e DJ com canções ligadas à direitos humanos para tratar do tema de forma jurídica.

Um dos segredos foi quebrar a metódica comum dos eventos jurídicos, mostrando que o conhecimento de verdade precisa ser compartilhado de forma ostensiva. Em vez de um palestrante proferindo monólogos e passando slides, uma mesa de DJ completa, música e diálogo direto com o público. Claramente a atividade foi um sucesso, contando com a presença de professores e 380 alunos.

Como ficou a atividade com o DJ Negralha, músico da banda “O Rappa”. (Crédito: Divulgação/Porvir)

Como ficou a atividade com o DJ Negralha, músico da banda “O Rappa”. (Crédito: Divulgação/Porvir)

O que podemos aprender com esse caso para dentro da sala de aula?

Daccord_Peró_-66

A maior vantagem da música na escola é sua característica interdisciplinar, ou seja, a capacidade dela permear entre diversas disciplinas.

1) Música e arte promovem diálogos entre mundos diferentes

A música tem a vantagem de levantar debates através das letras. Temas vistos nas disciplinas podem ser explorados a partir de analogias e interpretações das canções, criando paralelos sobre diversas áreas ao mesmo tempo. A letra da música “Se essa rua fosse minha” pode levantar debates sobre a identidade dos bairros, a criação de novos espaços na cidade e a territorialização numa aula de geografia, por exemplo. A música pode aproximar as crianças de outras realidades, e diminuir também as diferenças entre elas.

2) Inserção social pela arte

Muitas escolas possuem mais do que o papel educador. Elas são, nesses casos, um refúgio da realidade difícil vivida nas casas de muitas crianças brasileiras. Através da música e da arte, a escola assume o papel de inserir socialmente os estudantes com cultura e conhecimento, ampliando horizontes e habilidades – e até dando a oportunidade de que elas descubram talentos que fora dali não iriam aflorar. Além disso, estimula a motivação para que elas permaneçam na escola e construam um futuro melhor.

3) Novas formas de realizar “o de sempre” são possíveis

O maior feito de Bernardo foi conseguir realizar a Semana Jurídica de uma forma inovadora, unindo a música e a arte ao que já era feito tradicionalmente. A maior vantagem disso é agregar duas esferas que geralmente são postas como distintas e torná-las um conhecimento só, que se complementa a medida que é formado – afinal, de nada adiantam conhecimentos isolados. Isso, na sala de aula, pode ser feito com gincanas ou jogos, como fez esta professora que ensinou matemática com um game divertido e a Escribo com o Curso de Flauta, que mescla o aprendizado pedagógico da música com jogo.

“Como sempre afirmo, não há conhecimento compartimentado. Levar ideias com metodologias não-ortodoxas e linguagens distintas nos alinha a um pensamento de que o aluno deve desenvolver sua habilidade particular. Se não oferecemos possibilidades e encerramos o conhecimento na didática da sala de aula, uma parcela dos alunos não será atingida. A música e a arte são universais e essa união busca trazer para dentro do saber o maior número de alunos.” Bernardo Gomes

4) Trazer o novo para a sala de aula abre possibilidades

O elemento da novidade pode levar muitos alunos a desenvolver outras habilidades que talvez não seriam descobertas sem que eles se sensibilizassem com aquela novidade em questão. Podemos descobrir futuros músicos numa aula com flauta, futuros artistas numa aula que estimule a pintura, novos engenheiros numa aula de robótica. A questão aqui é semear para que se colham os frutos no futuro.

E você, como usa a música para inovar e catalisar bons resultados na escola? Nos conte nos comentários!